HarboR Informática Industrial Ltda.
info@harbor.com.br
+55 (48) 3333-2249

Qual é o papel do Big Data na Indústria 4.0?

Blog

Qual é o papel do Big Data na Indústria 4.0?

Já mostramos que a coleta de dados tem inúmeras vantagens para a sua indústria e que a plataforma MInA e Livemes auxiliam as indústrias nessa etapa. Podemos cruzar essas informações com outras fontes de dados como sistemas de ERPs, sistemas de controle de qualidade, sistemas especialistas, entre outros. Mas como tratar todo esse volume de dados e obter insights? Será que o Big Data pode resolver esses problemas?

Essa é uma das principais perguntas da atualidade, especialistas dizem que estamos vivenciando a era da informação, tornando os dados os maiores ativos das empresas. E a Indústria 4.0 faz parte dessa nova era, e é isto que iremos discutir a seguir.

Big Data

Big Data
Fonte: http://reamp.com.br

O que é Big Data?

O volume de dados das redes sociais, sites, vídeos, internet das coisas, e outras formas de compartilhamento de informação aumentaram em proporções extremas nos últimos anos. Para se ter uma noção o Twitter gera em torno de 12 terabytes de tuítes por dia, medidores inteligentes de energia geram em torno de 350 bilhões de medições por ano e o Google estima que a cada dois dias são gerados 5 exabytes de informações, que é o mesmo volume de informação gerado até 2003 por toda a civilização.

Grandezas dos Dados do Big Data

Grandezas dos Dados do Big Data
Adaptado de: http://www.tech-faq.com/zettabyte.html

Na imagem acima podemos ver a grandeza dos dados, o tamanho de um arquivo de texto de 10.000 caracteres tem em torno de 1 kilobyte, se compararmos isso com o volume gerado por tuítes todos os dias (12 terabytes), conseguimos imaginar quantas milhões de palavras são tuitadas. Podemos também imaginar o volume de 5 exabytes de informação que o Google estima que são geradas a cada dos dois dias, sendo que para cada exabyte são 1.000 petabytes, e grande parte dessa informação pode estar relacionada a sua indústria.

Ferramentas comuns como planilhas ou sistemas de BI (Business Intelligence) não suportam todo esse aumento no volume de dados. Por este motivo foi necessário o desenvolvimento de ferramentas mais poderosas, tendo velocidade e suportando uma grande variedade de dados (arquivos textos, imagens, vídeos, entre outros). Esses três requirimentos são conhecidos como os 3Vs do Big Data (Volume, Velocidade e Variedade).

Conseguimos concluir então que o termo Big Data é aplicado a soluções que trabalham com grande volume de dados, com velocidade e extraindo informações de diferentes tipos de dados, para possibilitar a obtenção de insights para tomada de decisões estratégicas. O volume de dados são oriundos de ERPs, sistemas especialistas e/ou sistemas legados (estes tipos de dados são chamado de dados estruturados), e também dados de outras fontes, como redes sociais, rede de sensores, IIoT, planilhas, textos, fotos, vídeos, entre outras fontes de dados (estes por sua vez são chamados de dados não estruturados).

Como o Big Data é aplicado na Indústria 4.0?

Big Data é um termo voltado para tratamento de grandes volumes de informações e se aplica na Indústria 4.0, principalmente por causa do IIoT, que é constituído por diversos sensores que coletam informações em tempo real de todo o processo produtivo. Desde o fornecedor da matéria prima até a entrega ao consumidor. Estes sensores podem coletar informações de temperatura, umidade, quantidade, espessuras, entre outras informações.

Todos os dados coletados precisam ser tratados e armazenados, para posteriormente gerarem uma base de conhecimento para as tomadas de decisões da indústria. Essas bases de conhecimento normalmente são enriquecidas com informações de outras fontes que fazem parte do Big Data. Vamos refletir no seguinte exemplo: A sua aplicação de Big Data está recebendo dados do chão da fábrica referente à produção do produto A na cor vermelha, mas ao mesmo tempo está analisando o Twitter, onde os consumidores estão mostrando preferencia para o produto A na cor roxa. Se o setor de planejamento de produção analisar essa informação é possível reajustar a produção para o produto A na cor roxa em vez de vermelho.

Este parece ser um exemplo simples, mas se pensarmos em todo o trabalho para a analisarmos todas essas informações manualmente, desde relatórios manuais de produção e a leitura de tuítes, essa análise se tornaria inútil, pois ficaria inviável entregar uma informação há tempo cabível ao setor de planejamento de produção para um reajuste das ordens de produção. Vale lembrar que ainda podemos cruzar essas informações com dados dos fornecedores, de outros sistemas da empresa (ERPs, sistemas especialistas) e dados não estruturados, como por exemplo, câmeras filmando gondolas de venda e identificando quais os produtos são mais vistos e manuseados.

Então quais são os benefícios do Big Data na Indústria 4.0?

Ao decorrer do texto foram mencionados alguns dos benefícios, sendo um deles a velocidade da entrega de informações de grande massas de dados, com dados em diversos formatos, dispostos em diversas fontes, como a IIoT e redes sociais. Além desse benefício, existem outros como o monitoramento de equipamentos em tempo real, para identificação de cenários que tenham a probabilidade da ocorrência de uma parada de produção, identificação de gargalos no processo produtivo, agregação de informação de diversas fontes de dados, como sites de fornecedores, redes sociais, publicações no Facebook e Twitter.

Com todos esses benefícios não devemos deixar para amanhã a coleta dos dados do chão de fabrica. Contate a Harbor e análise nossas soluções para coleta de dados e garanta que a sua empresa esteja sempre a frente no mercado. Tomada de decisões não devem ser feitas somente com conhecimento empírico, lembre-se que os dados da sua empresa e de todo o mercado podem lhe auxiliar nas tomadas de decisões tornando-as mais rápidas e assertivas.

Você também pode gostar de ler:

Desenvolvedor Back End, Engenheiro de Computação e Cientista de Dados. Aficionado por tecnologias desde cedo, já trabalhou com desenvolvimento, análise de sistemas e de dados, é apaixonado por arquitetura de sistemas e de soluções para sistemas com grande volume de dados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cancelar