HarboR Informática Industrial Ltda.
info@harbor.com.br
+55 (48) 3333-2249

Descubra quando um alarme no Gráfico indica algo positivo

Blog

Descubra quando um alarme no Gráfico indica algo positivo

Um alarme no Gráfico de Controle pode indicar uma melhoria!
Calma, essa afirmação não é nenhuma nova metodologia que vai contra tudo que você já aprendeu sobre Controle Estatístico de Processos, mas sim um destaque para uma regra estatística que nem sempre recebe a devida atenção: 15 pontos consecutivos na zona C.
Lembrando que:
  • Zona C = Distância entre Média ± 1σx
  • Zona B = Distância entre ±1σe ± 2σ
  • Zona A = Distância entre ±2σe ± 3σ

Se os pontos estão próximos da linha central e com pouquíssima variação, o processo não estaria ótimo?

A resposta é SIM, estaria ótimo!  Mas então, por que  o comportamento de 15 pontos consecutivos na zona C é considerado um alarme indicando que o processo está fora de Controle Estatístico? 
Vamos discutir isso a partir do exemplo abaixo:
GRÁFICO 1:
Mesmo sem saber a qual processo os dados pertence, mas considerando a aplicação dos Fundamentos dos Gráficos de Controle para a realização das amostragens, podemos chegar a algumas conclusões para este Gráfico que possui 63 pontos:
  • LC (média do processo) =  2.7522
  • LSC = 2.7547
  • LIC = 2.7497
  • Amplitude média (LC do gráfico MR) = 0.0009
  • O processo esta sob Controle Estatístico pois não foi observado nenhum valor fora dos limites de controle e nenhum outra regra foi alcançada.
Continuando as amostragens e plotando mais 19 pontos no Gráfico 1, obtemos o Gráfico 2:
 GRÁFICO 2:
E agora, o processo ainda pode ser considerado sob Controle Estatístico?
Bom, o que ninguém pode negar é que o processo melhorou, pois os novos pontos estão caindo mais próximos da linha central. 
Mas voltando a pergunta, o processo ainda está sob controle estatístico?
 
No CEP, consideramos que o processo está sob controle estatístico quando a variação observada é fruto apenas de causas aleatórias, sendo o Gráfico de Controle uma ferramenta eficaz para nos auxiliar neste julgamento.
A cada ponto que medimos e plotamos, estamos na verdade perguntando para o Gráfico o seguinte:
Posso considerar que o meu processo está sob controle, ou seja, continua produzindo com a mesma média e desvio padrão conhecidos?
Quando os pontos variam dentro dos limites de controle aleatoriamente conforme as probabilidades de cada zona, o Gráfico está respondendo: SIM, pode considerar o seu processo sob controle.
Agora observe novamente o Gráfico 2 e responda o seguinte: O processo continua com a mesma média e desvio padrão? A média se manteve, porém o desvio padrão diminuiu. Não é verdade? 
 
Partindo do princípio que um alarme no Gráfico de Controle é uma forte indicação de que uma causa especial está atuando sobre o processo, temos como tratativa investigar o processo para eliminar a causa a fim de “trazer” o processo novamente para a condição sob controle.
 
Mas no caso do Gráfico 2, o alarme é uma indicação de algo POSITIVO, pois conforme o histórico do processo, era esperado que os pontos variassem aleatoriamente entre os limites de controles, porém eles estão variando muito pouco!! Portanto, ocorreu alguma causa que fez com que a variação diminuísse muito.
 
  • Neste exemplo, a regra de 15 pontos consecutivos variando na zona C, NÃO é para dizer:

“Ei! Seu processo não está bom, pois ele esta variando pouco” (não faz sentido né?). 

  • Em vez disso, ela quer nos dizer:  

“Ei! Seu processo está ótimo!! A variação diminuiu muito! Algo aconteceu que manteve a média conhecida, porém diminuiu drasticamente a variabilidade. Então pare o que está fazendo e vá investigar qual foi a causa especial que atuou sobre o processo para que possamos mantê-la“.

 
 Se for possível fazer com que a causa especial que diminuiu a variabilidade seja incorporada ao processo, então o processo já não será o mesmo de quando os limites de controle foram definidos. Ou seja, esta regra também é um indicativo de que os limites de controle podem ser recalculados.
No Gráfico 3 temos os mesmos dados do Gráfico 2, porém recalculamos os limites de controle apenas com os pontos após a causa especial. 

GRÁFICO 3:

alarme no Gráfico de Controle pode indicar uma melhoria
Para visualizar melhor os novos limites, no Gráfico 4 estão sendo exibidos apenas os pontos após a causa especial.
GRÁFICO 4:
Perceba como alteraram algumas estatísticas:
  • LC (média do processo) =  era 2.7522 e agora é 2.7522 (se manteve)
  • LSC = era  2.7547 e agora é 2.7530
  • LIC = 2.7497 e agora é 2.7515
  • Amplitude média (LC do gráfico MR) = era 0.0009 e agora é 0.0003
 
CONCLUINDO, podemos dizer que a regra de 15 pontos consecutivos na zona C é muito valiosa*, já que pode identificar que alguma melhoria ocorreu no processo. 
*Neste exemplo, usamos a abordagem de que a causa especial foi uma indicação de algo positivo, porém, nem sempre é assim. Pode-se, por exemplo, ter um equipamento de medição descalibrado ocasionando medições com pouca precisão, o que é algo negativo, mas que precisa também ser identificado o mais rápido possível. 

 

Você também pode gostar de ler:

Engenheira de Alimentos pela UFSC com certificação Green Belt. Trabalha na HarboR desde 2009 atuando na capacitação, implementação e suporte técnico na área de Controle Estatístico de Processo e Qualidade em diferentes áreas da indústria.

Confira o perfil completo no LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cancelar