HarboR Informática Industrial Ltda.
info@harbor.com.br
+55 (48) 3333-2249

Diagrama de Causa e Efeito [7 Ferramentas da Qualidade]

Blog

Diagrama de Causa e Efeito [7 Ferramentas da Qualidade]

O Diagrama de Causa e Efeito, também chamado de Diagrama de Ishikawa ou Espinha de Peixe, foi desenvolvido com o objetivo de fazer com que as pessoas pensem sobre causas e razões possíveis que fazem com que o problema ocorra.

Vamos explicar melhor:

A Maria é responsável pela qualidade da fábrica de chocolates CacauLovers.

Hoje recebeu uma advertência do INMETRO indicando que os produtos do lote 20 fabricados no dia 18/04/2016 na fábrica de Florianópolis/SC  foi reprovada nas análises de peso líquido, conforme Portaria nº 248/2008.

Agora nós temos um problema em mãos. Pra poder resolver, precisamos entender os motivos que levaram essa falha na produção. Pra isso, nos reunimos com responsáveis da manutenção e da produção pra levantar as possíveis causas.

Problema: peso líquido está abaixo da tolerância permitida pelo INMETRO.

A grande vantagem do Diagrama de Espinha de Peixe é ajudar a encontrar as possíveis causas. Pra isso, temos as 6 “espinhas”, ou metodologia 6M’s, que facilita a visão e o pensamento global sobre os problemas. São elas:

  • Método: falha no método utilizado para execução das atividades;
  • Material: problema com o material (matéria-prima, por exemplo) utilizado;
  • Mão-de-obra: atitude inadequada do colaborador (procedimento inadequado, imprudência, pressa);
  • Máquina: falha na máquina que está operando. Pode ser falha de manutenção ou de operacionalização.
  • Medida: problema envolvendo os instrumentos de medição (calibração atrasada, sem estudo de R&R válido);
  • Meio ambiente: dificuldades envolvendo poluição, calor, dimensionamento inadequado dos equipamentos, falta de espaço para exercer as atividades.

Voltando ao nosso exemplo:

  • Mão-de-obra: falha no procedimento de pesagem dos produtos;
  • Medida: falha na calibração da balança;
  • Medida: falha no R&R da balança;
  • Máquina: problema no dosador;
  • Máquina: problema na velocidade da esteira por onde passam as formas antes de terem o chocolate injetado;
  • Material: a massa não alcançou a densidade desejada;

ishikawa

 

Ficou com alguma dúvida ou quer discutir melhor o assunto? Deixe seu comentário aqui embaixo!!

 


Formada em Engenharia de Alimentos pela UFSC e Administração pela UDESC com pós graduação em Engenharia da Qualidade pela SOCIESC, trabalha desde 2013 na HarboR e já participou de projetos de implementação de software de CEP. Atualmente trabalha na área comercial e marketing.

Confira Perfil Completo no Linkedin

Você também pode gostar de ler:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cancelar