HarboR Informática Industrial Ltda.
info@harbor.com.br
+55 (48) 3333-2249

CEP: Capacidade x Capabilidade

Blog

CEP: Capacidade x Capabilidade

No meu POST anterior eu listo as possíveis nomenclaturas e sinônimos dos termos mais comuns de Controle Estatístico de Processos.

Eu havia dito que não iria entrar em detalhes sobre nenhum item, porém vou abrir uma exceção para um termo, pois ele é sempre o mais polêmico, que é o famoso “Cp”.

O Índice de Capacidade pode ser encontrado com os seguintes nomes:

  • Índice de Capacidade
  • Capacidade
  • Índice de Capabilidade
  • Capabilidade
  • Cp

Não acredito que exista termo certo e errado, acredito que exista no máximo termos mais adequados e menos adequados

Falando especificamente do polêmico CAPACIDADE x CAPABILIDADE. Eu penso que o mais adequado seja o termo CAPACIDADE por 2 razões:

Primeiro porque meu “mentor” de Controle Estatístico de Processos me ensinou que era o correto. E segundo  pelo simples fato de ser um termo em português, enquanto o outro termo é uma “tropicalização” do termo original em inglês CAPABILITY.

Porém, sei que muitas pessoas e empresas adotam o termo CAPABILIDADE. Respeito isso, tanto que quando estou falando com alguém que utiliza o termo CAPABILIDADE,  imediatamente passo a utilizar da mesma forma também.

Afinal, para que dificultar e confundir? O importante é que a qualidade esteja bem, não a nomenclatura.

E vocês o que acham, deixem nos comentários suas opiniões.

Você também pode gostar de ler:

importancia-dos-graficos-em-cep-harbor-blog-small

Importância das Cartas de Controle

Com a utilização de cartas de controle, é possível analisar todo o contexto para tomar decisão mais certeiras. Imagens valem mais que mil palavras!

índices de capacidade

Índices de Capacidade

Qual é a capacidade daquele produto? Essa pergunta indica a falta de compreensão dos conceitos por trás dos índices. Descubra qual a melhor resposta!

ix_mr

Carta de Controle para Variáveis [7 ferramentas da qualidade]

Saiba como definir a melhor estratégia para melhorar a produtividade, prevenir defeitos e ajustes não necessários no processo

O autor é formado em Ciências da Computação pela UFSC onde também cursou mestrado. Trabalha desde 2002 na HarboR Informática Industrial, empresa que desenvolve soluções para controle de produção e controle de qualidade. Neste período atuou em mais de 100 projetos de controle de produção e controle de qualidade para indústrias de todos os portes do Brasil e de outros países como Canadá, Estados Unidos, México, Colômbia, Chile, Uruguai, França, Itália, Eslováquia e China. É também co-fundador e atual presidente do grupo Vertical Manufatura da Acate, um grupo que aproxima empresas de tecnologia e indústria de manufatura para discutir e desenvolver soluções que visam a diminuição de custos, aumento de qualidade e produtividade, assim como o cumprimento de normas legais e diminuição de recalls. Confira o perfil completo no LinkedIn.

Você também pode gostar de ler:

5 comments on “CEP: Capacidade x Capabilidade

  1. Bruna Luise Müller , on May 24, 2018 at 15:03 Responder

    Obrigada pelo seu comentário, César!

  2. César , on May 24, 2018 at 13:17 Responder

    Capacidade: por exemplo, capacidade nominal de um equipamento Exemplo: vazão da bomba de 20m3/h. Isso não implica dizer que em 24 horas teremos necessariamente 480m3. Capabilidade: capacidade do equipamento levando em conta a disponibilidade previstas. Ou seja, em 24 horas somente se a disponibilidade for 100% (improvável) é que teremos os 480m3.

  3. Matheus , on Jan 9, 2018 at 13:41 Responder

    Respeitosamente, discordo da opinião do Professor Egídio.

    “Capability” não significa necessariamente “capacidade de adquirir capacidade”. É simplesmente “capacidade” (geralmente, a capacidade de o processo atuar dentro de certos limites e, portanto, gerar resultados confiáveis, desejáveis, etc.).

    Totalmente dispensável a criação de um termo novo para isso, em minha modesta opinião. O termo “capacidade” dá conta, tranquilamente, desse significado, de forma bela e transparente. E não soa horrível como “capabilidade”, uma tradução de gosto extremamente questionável, a meu ver.

    Mas… viva a diversidade de opiniões!

  4. EGÍDIO CAMPOS , on Oct 20, 2017 at 22:26 Responder

    A questão NÃO É meramente vinculada a gostos pessoais ou a aludida impropriedade de incorporação de termo estrangeiro [no caso, inglês] ao vernáculo.
    Muito embora [veja-se http://www.academia.org.br/nossa-lingua/busca-no-vocabulario%5D nosso léxico [ainda] não consigne “capabilidade”, isso se dá primariamente pela excessiva morosidade da análise neológica naquele órgão. Dada sua similitude linguística em várias bases com outros termos ou já preexistentes ou recentemente incorporados em modo neológico, tudo é apenas questão de tempo.
    Enquanto isso não ocorre, vejamos breve reflexão de significados:
    a) CAPACIDADE:
    1 – Espaço interior de um corpo vazio.
    2 – Grandeza desse espaço (com relação ao que pode conter).
    3 – Aptidão, competência.
    4 – Talento.
    5 – Pessoa entendida.
    6 – Probidade.
    7 – Faculdade que torna apto.
    8 – Possibilidade legal.
    9 – capacidade elétrica: elétrica quociente entre a carga elétrica acumulada por um capacitor em relação à diferença de potencial.
    Publicado em: 2016-09-24, revisado em: 2017-02-27
    Disponível em: ‹https://dicionariodoaurelio.com/capacidade›. Acesso em: 20 Oct. 2017
    Vale dizer: “capacidade” é o atributo que diz respeito à quantidade que um dado ente comporta em relação a uma dada grandeza, sendo, pois, verificada ou verificável.
    b) CAPABILIDADE:
    Ainda no domínio de ‘neologismo possível ou sugerido’, “capabilidade” é o atributo que diz respeito à habilidade de exibir capacidade num domínio qualquer que se deseje explorar.

    Vê-se, pois, que um vocábulo [capacidade] refere-se ao já verificado ou verificável, enquanto outro [capabilidade] refere-se à habilidade de se conseguir ou obter uma capacidade. Assim entendido, fica claro que capabilidade é uma como que “capacidade de” conseguir capacidade.

    Esse é um claro exemplo de neologismo saudável, que DEVE ser acolhido pela Academia Brasileira de Letras. Diferentemente de tantos, embora já acolhidos, inteiramente inúteis em nosso vernáculo.

    EGÍDIO CAMPOS, Prof. AEC..

    1. Maria Julia Silva Morossini , on Oct 23, 2017 at 17:18 Responder

      Obrigada pela sua contribuição!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cancelar